A incorporação da semântica prática de termos modais de Leibniz nas filosofias morais de Baumgarten e Kant

  • André Luiz Batiston UFMG
Palavras-chave: Filosofia prática, Moralmente possível, Autorização, Direito, Kant

Resumo

O objetivo deste trabalho é mostrar a fecunda elaboração de uma certa semântica prática de termos modais que marcaria fundamentalmente o modo pelo qual a escola wolffiana e seus interlocutores desenvolveriam a compreensão de suas filosofias morais. Essa significação moral ou prática de termos lógico-modais, que emprega o conceito modal da possibilidade em um sentido estritamente prático, tem seu desenvolvimento inaugural nos apontamentos de Leibniz de 1671, intitulados de Elementa juris naturalis, o qual já trazia, de modo germinal, a plausibilidade de distinguir entre as ações que são “moralmente possíveis” e aquelas que são “moralmente necessárias”, distinção que determinaria, nos manuais de Baumgarten e também na filosofia crítica de Kant, a compreensão dos âmbitos específicos de atuação das leis morais; mais precisamente: a separação entre o domínio da ética e do direito.

Biografia do Autor

André Luiz Batiston, UFMG
Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Possui mestrado em Filosofia pela UFMG (2019) e graduação em Filosofia pela Universidade Federal de Lavras (2016).
Publicado
2020-08-04
Como Citar
Batiston, A. L. (2020). A incorporação da semântica prática de termos modais de Leibniz nas filosofias morais de Baumgarten e Kant. Revista Helius, 3(1), 104-133. Recuperado de //helius.uvanet.br/index.php/helius/article/view/135
Seção
Artigos do Dossiê