Substância e causalidade em Leibniz

  • André Chagas Ferreira de Souza UFLA

Resumo

Neste artigo exporemos parte da abordagem de Leibniz a respeito do tema da causalidade, referente tanto à dimensão metafísica quanto à fenomênica. Mostraremos o processo de desenvolvimento da ontologia de Leibniz, passando pelo modo como ele se posiciona perante as filosofias antiga e moderna, pois ele não se convenceu de que os seus contemporâneos detinham princípios suficientes para definir a realidade e as ações dos seres no mundo. Leibniz afirma que se viu obrigado a recuperar conceitos da tradição clássica, com destaque para as formas substanciais. Transitando entre as duas tradições, veremos que Leibniz apresenta um caminho próprio em relação ao entendimento sobre a causa da realidade do mundo, sobre a causalidade interna aos seres e a causalidade testemunhada pelos nossos sentidos.

Biografia do Autor

André Chagas Ferreira de Souza, UFLA
Possui Bacharelado em Filosofia (2004), é Mestre em Filosofia (2006), é licenciado em Filosofia (2009) e é Doutor em Filosofia (2011); todos esses títulos lhe foram outorgados pela Universidade de São Paulo. Atua na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia Moderna, História da Filosofia Antiga, Metafísica e Ética . Faz parte do quadro de professores da Universidade Federal de Lavras (UFLA), onde ministra aulas para os cursos de Licenciatura em Filosofia na modalidade presencial e na modalidade a distância.
Publicado
2020-09-30
Como Citar
Souza, A. C. F. de. (2020). Substância e causalidade em Leibniz. Revista Helius, 3(1), 36-69. Recuperado de //helius.uvanet.br/index.php/helius/article/view/153
Seção
Artigos do Dossiê