A invenção do humano: entre o biológico e o biográfico

  • Edson Ferreira da Costa UFMA
Palavras-chave: Vida humana, Biologia, Biografia

Resumo

Neste artigo nos propomos apresentar a concepção antropológica de José Ortega y Gasset a partir do seu escrito Meditaciones de la técnica (1933), tendo como objetivo esclarecer como ocorre a passagem do biológico para o biográfico. Na obra base, o filósofo faz um resgate do surgimento da técnica destacando a realidade subjetiva que pressupõe o agir humano sobre a natureza. Consideramos tal discussão como fundamental para compreendermos os limites do orgânico frente às necessidades subjetivas que marcam as escolhas e a ação humana. O que realizamos ao longo de toda a argumentação do texto é uma defesa de uma concepção de vida humana que se justifica em uma ontologia do sendo, a qual possibilita ao homem agir de forma projetiva pela capacidade de ir além do que está posto biologicamente, criando novas formas de vida.

Biografia do Autor

Edson Ferreira da Costa, UFMA
Bacharel Licenciado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), Mestre e Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) com Doutorado Sanduíche/CAPES na Universidad de Salamanca/Espanha (USAL/Esp). Atua como professor Adjunto II da Universidade Federal do Maranhão, Campus Imperatriz, no curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia. Coordena o Grupo de Estudo e Pesquisa em Epistemologia e Educação - GEPEE e, compõe o corpo editorial da Revista Humanidades & Educação.
Publicado
2021-03-23
Como Citar
Costa, E. F. da. (2021). A invenção do humano: entre o biológico e o biográfico. Revista Helius, 3(2, fasc. 2), 936-952. Recuperado de //helius.uvanet.br/index.php/helius/article/view/167
Seção
Artigos do Dossiê